Uros e Taquile

Este é um trabalho que retrata partes de um crime histórico cujas consequências perduram em solo latino americano desde o período das circum-navegações até os dias de hoje. Trata-se da apropriação e regulação de terras e culturas através da estrutura colonial que nunca abandonou seus instrumentos de opressão e violência. Sendo o objetivo maior gerar lucro nas mãos de poucos, a exploração de uso de terras e o controle da produção de sementes produz consequências sociais e económicas como a alimentação precária e industrializada àqueles que a própria estrutura colonial e capitalista tratou-os por expulsar e abandonar.

A expectativa de vida do povo Uros que vive em ilhas flutuantes de palhas no lago Titicaca, não chega aos 35 anos devido às doenças respitatórias comuns a este modo de vida de dormir sob à palha húmida. A alimentação diária dos povos originários da América Latina, como na ilha Taquile, tornou-se o alimento industrializado a base de soja, trigo e açúcar como de qualquer outra comunidade pobre das grandes cidades. Ou seja, foram afastados de forma criminosa do acesso à terra e do cultivo da pluraridade de legumes e vegetais, do respeito a fauna e flora dos biomas circundantes que estabelece a formação e a tradição alimentar destes povos.

Uros, 2020, imagem digital 200dpi, 175 x 120 cm.
Taquile, 2020, imagem digital 200dpi, 175 x 120 cm.